28 fevereiro 2006
A ver
Um curso interessante sobre o sistema solar.
 
posted by Jose Matos at 22:29 | Permalink | 0 comments
Exploração planetária
Já lá vão 10 anos. Foi nessa altura que os planetas começaram a incomodar-me, a roer-me por dentro. Precisava de fazer um curso que fugisse aos cursos que tinha de astronomia e que fosse para um tema mais específico. Os planetas era um bom tema e de fácil compreensão. Comecei então a pensar no assunto e durante o Verão de 96 elaborei a primeira versão do curso. Arranjei-lhe um nome pomposo (astrogeologia) e lá comecei em Outubro desse ano. Não era um grande nome, mas na altura funcionou. Eu também não era grande coisa para falar daquilo, mas lá me aguentei. Mas era um curso longo com 40 horas e 4 meses de duração. É óbvio que era demasiado vasto para funcionar na prática, mas naquele tempo não liguei muito a isso.

Depois com o passar dos anos foi encolhendo e fui-lhe mudando o nome até chegar ao nome de hoje. É claro que não é fácil tentar concentrar em 20 horas aquilo que noutros tempos se dava em 30 ou 40. Hoje sinto esse problema, pois sinto o curso a estoirar a gritar por mais tempo. Mas lá o vou espremendo até não dar mais. Mas isto consome semanas na vida de uma pessoa. É uma consumição até encontrar a fórmula certa. Noutros tempos era tudo mais fácil. Uma pessoa agarrava em 500 ou 600 slides e fazia o curso em função dos slides que tinha. Agora é tudo muito mais complicado, pois um slide não é apenas uma imagem é também texto, esquemas, ideias e chatices para quem o faz. Portanto, custa mais e moí a cabeça e o espírito. Ando nisto à não sei quanto tempo e ainda não acabei. Mas há depois o gosto de chegar ao fim e olhar para a obra feita. Há depois o gosto do curso e de dar as aulas. Cada participante levará para casa o curso dentro de um CD e poderá vê-lo quantas vezes quiser.

Mas já lá vai uma década a falar de planetas. Sei hoje alguma coisa do assunto é verdade, muito mais do que quando comecei. Há uma década não sabia nada a não ser vulgaridades, hoje pelo menos sei um pouco mais. Mas o que sei é pouco mesmo assim, diria mesmo uma pequena gota de água no imenso conhecimento acumulado sobre estes nossos vizinhos. Todos os anos um fluxo enorme de artigos vai revelando um pouco mais dos nossos parentes próximos. Há tanta coisa a ser descoberta que é impossível de acompanhar. Mas estes são tempos interessantes para quem gosta de planetas. E apesar da minha insignificância, apesar de nunca ter descoberto coisa alguma, faço uma coisa que mais ninguém faz neste país. Falo de planetas para quem me quer ouvir. Vamos ver se terei alguém para me ouvir daqui a uma semana?
 
posted by Jose Matos at 20:42 | Permalink | 5 comments
Plutão
Uma lista interessante que mostra todos os artigos publicados sobre Plutão até Junho de 1999. É de notar que durante vários anos pouco coisa se publicava sobre Plutão. Só no final dos anos 70 é que o ritmo de publicação aumentou de forma significativa.
 
posted by Jose Matos at 20:02 | Permalink | 0 comments
24 fevereiro 2006
Viagem ao Egipto
A Agência Abreu continua com algumas vagas na viagem para assistir ao eclipse total do Sol de 29 de Março.
 
posted by Jose Matos at 18:57 | Permalink | 0 comments
Orbitron
Um excelente programa de seguimento de satélites do Sebastian Stoff. Já agora depois de instalado surge uma janela para actualizar os dados TLE e aí deve-se clicar num icon com a forma de globo que aparece em cima à direita de forma actualizar os dados pela net e só depois clicar OK.
 
posted by Jose Matos at 18:54 | Permalink | 2 comments
A caminho do espaço
Nos últimos tempos, as manobras mediáticas em torno do turismo espacial têm sido muitas. A Virgin Galactic não tem perdido tempo depois do sucesso do SpaceShipOne e tem capitalizado o feito vendendo o sonho das viagens ao espaço. Os homens que mandam na Virgin já anunciaram a construção de uma base no Novo México, onde serão lançados os voos para o espaço. Estamos falar de voos suborbitais em que o Virgin SpaceShip (VSS) ascenderá aos 110 km de altitude para depois voltar a mergulhar na atmosfera. Serão 10 minutos em ambiente de imponderabilidade. Parece que até agora 38 mil pessoas de 126 países já manifestaram interesse na viagem e efectuaram um depósito de caução. O bilhete custa 170 mil euros e os primeiros voos estão previstos para 2008/2009.

Ora há obviamente muita propaganda em tudo isto, que é boa para a Virgin que está a tentar cativar clientes. Ainda há poucos dias um magazine semanal trazia na capa um português a viver na Austrália, editor da revista Cosmos e que pretende ser o primeiro português no espaço. Entretanto, nos dias seguintes os jornais divulgavam o nome do empresário Mário Ferreira, que já tinha pago os 170 mil euros para fazer parte do clube dos fundadores, ou seja, aqueles que serão os primeiros turistas viajar no espaço nas naves da Virgin Galactic. Ou melhor dizendo aqueles que estão a pagar a construção das ditas naves. Com tanto anúncio até ficamos confundidos, mas parece-me que o Mário Ferreira será mesmo o primeiro português a alcançar o espaço e desejo-lhe boa sorte.

Mas o que me parece mais difícil de cumprir em toda esta campanha mediática é o prazo de 2008/2009 para os primeiros voos comerciais seguros. Acredito que um dia estas viagens serão possíveis a um ritmo razoável. Mas não acredito que seja dentro de 2/3 anos. Os problemas que ainda têm que ser resolvidos até esta actividade ser segura para um simples turista são vários e não será dentro de 2/3 anos que estarão todos resolvidos. Mas, apesar da propaganda, é um facto que vamos ter dentro de alguns anos a possibilidade de ir ao espaço por 170 mil euros e isso é uma grande revolução na história da exploração espacial. Mais uma vez serão apenas os ricos a ter acesso a tais viagens, mas isso já era de esperar. Até eu se tivesse os 170 mil euros era capaz de alinhar numa viagem dessas.

 
posted by Jose Matos at 18:21 | Permalink | 1 comments
22 fevereiro 2006
Galileu IV
O Rui Barbosa, que na sua vida real é Optometrista, enviou-me um comentário a este respeito que julgo importante, pois não se conhecem ainda bem quais são os factores mais importantes que levam ao surgimento de cataratas. Ou seja, se o Galileu ficou cego por causa das cataratas, qual foi o factor que esteve na origem das mesmas?

É realmente interessante a discussão sobre a causa da cegueira do Galileu.

Eu não descartava a hipótese (atenção que não li o que dizem os especialistas que referes no teu blog) de que as observações solares tenham sido uma causa indirecta para a cegueira do Galileu.

Na realidade ninguém sabe com precisão o que leva o cristalino se alterar ao longo dos anos dando origem ás cataratas. Os cientistas estão gradualmente a identificar factores que possam dar origem ás cataratas. Muitos estudos sugerem que a luz ultravioleta e a excessiva exposição a esta radiação, esteja associada ao desenvolvimento das cataratas. É por isso que eu muitas vezes como Optometrista recomendo o uso de óculos de sol e chapéus com uma pala larga aquelas pessoas que trabalham constantemente ao Sol. Por outro lado, outros tipos de radiação também podem estar na origem do aparecimento das cataratas. Estudos levados a cabo na Islândia mostram que os pilotos de aviões têm um maior risco de desenvolver cataratas nucleares e que a causa possa estar associada á exposição aos raios cósmicos. Um teoria similar sugere que os astronautas também são uma população dre risco!!

As pessoas com diabetes também têm um certo risco de desenvolver cataratas e o mesmo vai para aquelas pessoas que ingerem esteróides, diuréticos e calmantes. Uma dieta rica em sal aumenta a probabilidade de aparecimento de cataratas, tal como o tabaco, poluição e consumo de alcool.


Mais uma achega do Neil Handley sobre este tópico.

Galileo would have been just as likely to develop cataracts as any other person of his age living in that region. Of course many people never reached such old age. We know now that it is most unlikely that his optical observational activity would have made any difference, but it is quite possible that his contemporaries, with their less advanced medical knowledge, may have thought there was a connection.
 
posted by Jose Matos at 15:41 | Permalink | 1 comments
Astrobiologia
Embora a discussão já tenha decorrido noutro tópico (e com base numa versão mais antiga), não posso mais uma vez deixar de fazer referência ao curso de astrobiologia (versão 2006) do Vali, pois é raro termos on-line um curso de astrobiologia fora dos EUA para apreciar. O curso é livre e aberto a todos os estudantes e penso que os temas estão bem escolhidos tendo em conta que os estudantes serão apenas curiosos destas matérias interessados em saber mais. Á medida que o curso se vai realizando os PPT vão sendo colocados on-line e na página de cada aula há sempre um conjunto interessante de referências. Portanto, se algum dia forem estudar para Montreal cá fica a sugestão.
 
posted by Jose Matos at 15:25 | Permalink | 0 comments
21 fevereiro 2006
Encontro em Espinho
Um encontro em Espinho sobre comunicação em ciência.
 
posted by Jose Matos at 15:41 | Permalink | 2 comments
Galileu III
Aqui está uma discussão interessante que podemos ter num blogue de astronomia e que serve para os leitores aprenderem alguma coisa.

Tudo começou com uma afirmação errada minha de que o Galileu tinha ficado cego por causa das observações solares.

O Carlos Oliveira chamou e bem a atenção para o erro e a partir gerou-se a discussão.

Ele defende que não há muito para dizer sobre as verdadeiras razões que levaram Galileu há cegueira (e que nada têm a ver com a observação solar), pois os especialistas já estabeleceram um diagnóstico seguro a esse respeito.

Eu pelo contrário considero que há polémica sobre isso e que não é ainda possível estabelecer um diagnóstico seguro sobre todas as causas que levaram Galileu a ficar cego. A única coisa certa é que pelo menos não foi por causa da observação solar. Em relação ao resto não tenho uma opinião formada ao contrário do meu amigo Carlos.

Recebi agora uma opinião a esse nível que me parece interessante. Uma das fontes que habitualmente é apresentada sobre este tema é a Dava Sobel e o livro "A Filha de Galileu". Ora parece que temos que ter algum cuidado com aquilo que vem no livro da Sobel a este respeito.

Dava Sobel's book 'Galileo's Daughter' (which I read last year) is indeed explicit about the diagnosis but does not offer the references to check her claim. She presents this information as accepted fact and does not discuss the nature or content of the evidence.

In fairness, a 'popular' history such as hers, which is aimed at the general reader, not an academic audience, is not the place to enter into a deep discussion of the possibilities. Her suggestions are plausible, possibly even likely, but not, on the basis of the evidence available, proven or demonstrable.

Of course she may have read a source that I haven't, but if so why was it not mentioned in the end notes? Indeed I have no reason to think that has has even studied the matter in detail. It would only have been incidental to her book's main argument.

The diagnosis that she (along with other people) offers is not 'safe' but merely speculation, if nevertheless intelligent speculation.

On this matter, as with many other historical vision-related questions, the BOA Museum's response will always be 'Show us the Proof'.

Incidentally my article on the history of glaucoma diagnosis, which was formerly on the website, will be placed back there very soon.

Yours sincerely

Neil Handley, MA, AMA
Curator, British Optical Association Museum
 
posted by Jose Matos at 15:12 | Permalink | 7 comments
20 fevereiro 2006
Os rovers em Imax
A Walt Disney produziu um documentário de 40 minutos em IMAX sobre a aventura dos rovers em Marte.
 
posted by Jose Matos at 17:57 | Permalink | 1 comments
A ler
O último número da revista francesa Espace Magazine.

 
posted by Jose Matos at 17:32 | Permalink | 0 comments
Exploração planetária
Já está disponível on-line na página do FISUA informação sobre o curso de exploração planetária que começa em Março em Aveiro.
 
posted by Jose Matos at 17:28 | Permalink | 0 comments
17 fevereiro 2006
Curso
Um curso que já uma vez tinha aqui citado, mas ao qual é sempre um prazer voltar pela simplicidade do mesmo. O curso é do Mullard Space Science Laboratory e foi dado em 2003 neste laboratório. O laboratório possui uma série de cursos livres para os seus alunos. O que cito aqui é dos mais interessantes e simples, mas também gosto deste.
 
posted by Jose Matos at 19:13 | Permalink | 2 comments
Galileu II
É possível que as verdadeiras razões porque Galileu ficou cego do olho direito em Junho de 1637 e completamente cego no final desse ano, permaneçam para sempre envoltas em polémica. Não parece, no entanto, que tenham a ver com a observação do Sol, como erradamente aqui referi noutro post. A hipótese de cataratas é bem provável, mas como se pode ver aqui, outras hipóteses têm sido avançadas. Mas será sempre difícil saber porque cegou uma pessoa que viveu há 4 séculos atrás, mesmo que tenha deixado alguma correspondência sobre os seus males.

 
posted by Jose Matos at 16:10 | Permalink | 5 comments
A ler
É raro um autor português escrever sobre cosmologia. O Orfeu Bertolami escreveu o seu primeiro livro de divulgação numa grande editora, neste caso a Gradiva. Desde os primeiros mitos da criação até às teorias actuais, o autor faz um passeio pela história da cosmologia. Gostei principalmente da parte sobre a anomalia na Pionner 10. Já está nas livrarias.

 
posted by Jose Matos at 15:04 | Permalink | 0 comments
Ainda a questão de Europa
Há dias no post sobre o orçamento da NASA, onde criticava a ausência de qualquer missão em relação à lua Europa (há muito falada), um comentador amigo dizia que há referência a Europa no orçamento da NASA para 2007, nomeadamente na página 224. Ora como já tinha visto o orçamento no geral achei estranha a referência, pois na página em questão o que se refere é ao CEV e nada tem a ver com missões de exploração planetária. O sistema solar vai da página 35-40, onde são referidas as prioridades da NASA a esse nível. Portanto, aqui fica de novo uma achega ao assunto. É claro que o documento em análise ainda é só uma proposta, que terá que ser aprovada pelo Congresso e aí as coisas podem mudar. Mas para já as críticas começam a surgir. A Planetary Society já chamou atenção para várias missões.
 
posted by Jose Matos at 13:57 | Permalink | 4 comments
História breve da Lua
De repente Aveiro tem duas peças de teatro sobre a Lua em dois sítios diferentes. Agora é a Fábrica Ciência Viva com a peça "Breve História da Lua".

 
posted by Jose Matos at 13:34 | Permalink | 0 comments
16 fevereiro 2006
Mudanças
Há muito que usava o mesmo template. Não é que fosse mau, mas achei este melhor. Espero que gostem.

Já agora o Cosmoscópio do Rafael Pacheco também mudou de pouso e visual.
 
posted by Jose Matos at 16:13 | Permalink | 5 comments
Calendário de Astronomia 2006
Como não podia deixar de ser cá vai a minha recomendação para o Calendário de Astronomia 2006. Cada vez melhor. Um título a não perder.


 
posted by Jose Matos at 15:13 | Permalink | 0 comments
14 fevereiro 2006
Telesto
Telesto visto pelos olhos da Cassini. Uma batata de rocha e gelo a vaguear no espaço profundo.

 
posted by Jose Matos at 18:46 | Permalink | 1 comments
12 fevereiro 2006
Astrobiologia
Um curso interessante sobre astrobiologia.

P.S. Uma adenda ao que foi aqui dito na secção de comentários sobre este curso. O link em cima permite ver as temáticas do curso e discordo que exista algum problema em fazer um curso de astrobiologia numa faculdade de medicina. O que faz um curso bom ou mau não é o sítio, mas sim a qualidade do curso e das pessoas que o dão. Também não vejo grande problema que o instrutor seja o Hojatollah Vali. O Vali é o professor associado no Departamento de Anatomia e Biologia Celular, mas a sua área de investigação está ligada aos meteoritos marcianos e a processos de biomineralização. Portanto, acho que é uma pessoa perfeitamente habilitada para dar um curso destes. Além disso, tem 4 assistentes para o ajudar e mais 12 convidados. Portanto, o nível de colaboração que existe no curso parece-me adequado para o curso em questão. O livro do Shostak é de facto o recomendado e pelo simples facto de faltar um k no nome do autor, não me parece que seja argumento para dizer mal. Aliás, nota-se perfeitamente que é uma gralha. Quanto ao nível que vão falar os convidados não sabemos, pois não vamos lá assistir às aulas. Agora parece-me óbvio que qualquer pessoa que faz um curso destes vai adaptar os seminários consoante o nível de audiência que tem, portanto, também não concordo com a crítica a esse nível. Quanto à questão das aulas de 50 minutos, sou favorável a aulas maiores de 2h30, mas aí cada instrutor segue o que acha melhor. Quanto a ser no Canadá concordo. Sobre as aulas em PPT é de facto uma falha na página, mas o comentário era sobre as temáticas, embora na altura tivesse visto um PPT do curso, que pode ser visto em PDF e pareceu-me interessante.
 
posted by Jose Matos at 19:45 | Permalink | 8 comments
Europa que espere...
O documento que descreve o orçamento da Nasa para o próximo ano contém 451 páginas e quase 150 mil palavras, mas nem uma sobre uma missão a Europa. Como muitos esperava que houvesse por ali qualquer referência a uma missão aos satélites de Júpiter. Mas nada. Nem uma única referência.
 
posted by Jose Matos at 19:07 | Permalink | 3 comments
11 fevereiro 2006
Viagem a Tolouse
A equipa do Portal Aerotek promove em Abril uma viagem a Tolouse com um programa muito interessante. Ver aqui.
 
posted by Jose Matos at 15:25 | Permalink | 0 comments
07 fevereiro 2006
Se tivesse dinheiro...
Se tivesse dinheiro era um destes que eu comprava agora. Celestron CPC 9.25.

 
posted by Jose Matos at 14:19 | Permalink | 3 comments
06 fevereiro 2006
Blogue de fotografia
Um blogue de astrofotografia do Tiago Dias do Porto.
 
posted by Jose Matos at 15:33 | Permalink | 0 comments
03 fevereiro 2006
A Lua é feita de queijo?
Estreia amanhã (16h) no Estaleiro Teatral de Aveiro, uma peça de teatro infantil sobre a Lua. A não perder.
 
posted by Jose Matos at 21:58 | Permalink | 0 comments
10º planeta
A confirmação que o 2003 UB313 é de facto maior do que Plutão.
 
posted by Jose Matos at 21:41 | Permalink | 0 comments
Ainda o Challanger
Ainda sobre o Challanger o Rui Barbosa esclarece o seguinte:

Não se registaram quaisquer explosões no desastre do Challenger a não ser as que acabaram por destruir os dois propulsores laterais de combustível sólido. O que nós vemos é simplesmente a ignição dos dois propolentes que são utilizados no RCS (Reaction Control System). Sendo propolentes hiepergólicos estes entram em combustão quando se dá a falha estrutural dos depósitos e/ou das estruturas anexas (tubagens) colocados na nariz do vaivém. A própria côr alaranjada da combustão é indicadora da presença de propolentes hipergólicos. Na imagem que segue em anexo é facilmente visível a combustão dos propolentes.
 
posted by Jose Matos at 17:04 | Permalink | 0 comments