04 janeiro 2006
Quando estiveres cansado
Quando estiveres cansado de olhar uma flor, uma criança, uma pedra, quando estiveres cansado ou distraído de ouvir um pássaro a explicar o ser, quando te não intrigar o existirem coisas e numa noite de céu limpo nenhuma estrela te dirigir a palavra, quando estiveres farto de saberes que existes e não souberes que existes, quando não reparares que nunca reparaste no azul do mar, quando estiveres farto de querer saber o que nunca saberás, se nunca o amanhecer amanheceu em ti ou já não, se nunca amaste a luz e só o que ela ilumina, se nunca nasceste por ti e não apenas pelos que te fizeram nascer, se nunca soubeste que existias mas apenas o que exististe com esse existir, quando, se - porque temes então a morte, se já estás morto?

Vergílio Ferreira in Pensar.
 
posted by Jose Matos at 15:35 | Permalink |


2 Comments:


  • At 4:41 da tarde, Anonymous Anónimo

    quando estás cansado/a, experimenta esquecer-te de tudo quanto te ensinaram e começa a nascer outra vez, sente as tuas orelhas, para começar, depois vai mais para o interior, e talvez que, aí por volta das curvas do ouvido médio , já consigas ouvir uns acórdes de um novo Beethoven que está dentro de ti á espera de ser ouvido com o teu próprio sentido... quem sabe!? experimenta...

     
  • At 4:42 da tarde, Anonymous Anónimo

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.